terça-feira, 12 de agosto de 2008

Enfermeiros têm emprego garantido depois da faculdade, afirmam conselhos

Enfermeiros têm emprego garantido depois da faculdade, afirmam conselhos

Mariana Tramontina
Em São Paulo

A carreira de enfermeiro já não é mais considerada uma segunda opção para aqueles que não passaram no vestibular para medicina. E, para a doutora Almerinda Moreira, membro da Câmara Técnica de Assistência do Cofen (Conselho Federal de Enfermagem), esse aquecimento nos cursos superiores é bem-vindo, já que a área exige demanda e "o brasileiro, infelizmente, está muito doente".

O Cofen contabiliza, hoje, 155.444 enfermeiros no Brasil. A boa notícia é que, segundo Almerinda, não falta emprego para estes profissionais. "Há muitos campos disponíveis para trabalho que vão além do hospital, apesar de esse ser a área que mais absorve enfermeiros". Ela diz que a categoria está se qualificando cada vez mais, o que explica o crescimento destes cursos superiores. "Temos até pós-doutorado. Isso dá maior confiabilidade na carreira".

A doutora conta que a demanda de enfermeiros é grande no país e a grande quantidade de recém-formados não atrapalha os planos de quem busca uma vaga. Apesar disso, existem algumas concentrações. "São Paulo, por exemplo, está restringindo a entrada destes profissionais". Isso porque o Estado abriga 54.826 enfermeiros diplomados. "O que se procura nessa região, em Minas Gerais e no Rio de Janeiro, são especializações". Como na maioria das profissões, Norte e Nordeste têm defasagem.

Maria Angélica Azevedo Rosin, chefe do departamento de fiscalização do Coren-SP (Conselho Regional de Enfermagem do Estado de São Paulo), diz que grande parte dos formandos de São Paulo migram para outros Estados e até para o exterior. "Aqui no Brasil temos essa mão-de-obra pronta para atendê-los. Em 2007, foram muitos enfermeiros para a Itália", conta.

Apesar de atraente, a profissão ainda não é bem remunerada. "Não existe um piso nacional para a categoria, então o salário depende de cada região. No Rio, varia entre R$ 800 e R$ 1.000. Em São Paulo, pode chegar a R$ 3.000".

Qualidade da mão-de-obra

As duas conselheiras concordam que a qualidade do serviço de um enfermeiro começa nos bancos da faculdade. Almerinda sustenta que o MEC deve ficar de olho, principalmente nas instituições privadas. "A gente ouve histórias de que algumas faculdades contratam professores titulados só para passar na avaliação e depois mandam embora. Isso faz a qualidade do ensino cair mesmo".

Para Maria Angélica, as instituições não atendem as competências previstas na educação profissional. "É uma profissão técnica, científica, teórica, mas tem a essência da prática". Assim como medicina e outros cursos da área de saúde, os alunos de enfermagem também precisam de campo para estudar. "Todas as escolas dependem do campo de estágio, que vai concretizar a profissão. Mas muitas vezes as faculdades não estão preparadas e nem têm laboratórios", diz Maria Angélica.

Segundo ela, os conselhos não têm ingerência sobre o ensino e só podem fiscalizar o exercício profissional. "O docente supervisiona os estágios dentro dos hospitais. Os conselhos verificam se há escolas, se estão realizando as atividades de acordo com a disciplina. Mas, nesse caso, é mais uma orientação da nossa parte".

Almerinda diz que é preocupante instituições com conceito insatisfatório, mas que o MEC deve supervisionar a saída de um aluno para o mercado profissional.

"É uma política do governo que todos os conselhos tenham uma prova como o exame da OAB [Ordem dos Advogados do Brasil, que autoriza bacharéis de direito exercerem a profissão de advogado]. Mas quem tem que dar o título é a universidade. Nosso papel é fiscalizar o exercício profissional".

21 comentários:

BARBARA disse...

ESSA COM CERTEZA É A MAIOR BESTEIRA QUE EU JÁ LI. EU SOU UM EXEMPLO DE QUE ISSO É MENTIRA E TENHO PELOS MENOS MAIS 10 AMIGAS ENFERMEIRAS QUE SIMPLESMENTE DESISTIRAM DA ENFERMAGEM POR ESTAREM HÁ MAIS DE UM ANO DESEMPREGADAS. UMAS COM PÓS- GRADUAÇÃO E EXPERIÊNCIA. CADE O MEU EMPREGO ENTÃO?

Rafael Vidal Marques disse...

Olá Bárbara ! Eu também achei um absurdo esta afirmação. Porém foi notícia e publiquei no meu blog para nós enfermeiros sabermos o que pensam as pessoas que dirigem os conselhos que regem a nossa profissão.

Demorei 6 meses para conseguir emprego e vários colegas nada conseguiram desde que nós formamos, em 2006.

Porém tenho esperança que a situação irá melhorar.

Boa sorte !!

Beijos

Franciane disse...

Assim como a Barbara tb discordo de ta l notícia.Sou enfermeira, me formei ha nove meses, e não consigo absolutamente NADA, nem na mha cidade, nem em outras diversas cidades do país, as quais ja me disponibilizei para ir trabalhar.Envio muitos currículos diariamente e até hj nao recebi sequer uma resposta!!!

Anônimo disse...

sou katia e estou formada desde dezembro passado a até o momento nada, essa noticia e o total absurdo. è uma vergonha ter pessoas mal informadas como esaas dirigindo nossos conselhos.

Marcelo disse...

Esta opinião que enfermeiros têm emprego garantido é uma grande mentira!!! O mercado está super saturado! conheço vários profissionais desempregados há muito tempo. No Brasil, temos uns mil e poucos habitantes pra cada enfermeiro. Basta dividir a população Brasileira pela quantidade de enfemeiros cadastrados no COFEN!!! FAÇAM O CÁLCULO! MARCELO SANTOS

Amanda disse...

AMIGOS NÃO FAÇAM ENFERMAGEM!!!SOU FORMADA HÁ MAIS DE DOIS ANOS PELA FMU,TENHO AMIGAS PÓS GRADUADAS E TAMBÉM NÃO CONSEGUIRAM NADA!ELES SÓ DÃO EMPREGO PRA QUEM TEM EXPERIENCIA.ESTOU MUITO ARREPENDIDA DE TER PERDIDO TANTO TEMPO E DINHEIRO NESSA ÁREA.ESTOU DESISTINDO,FAZER ENFERMAGEM É ENTRAR NUM BARCO FURADO!
Amanda.

Anônimo disse...

Me formei em 2008, e desde então não consegui uma oportunidade para trabalhar. Todos os lugares requerem experiência. Já fiz serviço não remunerado por seis meses, pós- graduação e atualmente estou fazendo aprimoramento. Mando currículos quase todos os dias e nunca se quer fui chamada para uma entrevista. Infelizmente, Estou prestes a desistir dessa profissão.
Como todos os outros comentários essa é a maior mentira que já li. Não façam enfermagem, pois nao tem oportunidade

Anônimo disse...

CONCORDO PLENAMENTE! SOU FORMADA HÁ QUASE 3 ANOS E AKI NO NORDESTE NUNCA ENCONTREI UMA OPORTUNIDADE DE EMPREGO AQUI SÓ TRABALHA QEM TEM "PADRINHO POLITICO"! ISSO É UM ABSURDO!

Rosa disse...

Concordo com cada um dos comentarios expostos e vou ainda mais longe... tem enfermeiros em 02 e até 03 empregos o que vem acarretando em uma pessima coordenação de equipe, erros absurdos etc. Pagar anuidade todos pagamos mas as chances não são as mesmas para todos. No interior, onde moro, os QIs fazem a diferença. Sou formada desde 2004 é até agora não consegui me fixar em um bom emprego, em hospitais ja desisti pois exigem experiencia. Esta dificil, quem puder, parta para outra, eu ja estou com 45 anos o que complica ainda mais. Isso tem que ser divulgado para que a situação não piore ainda mais!

Anônimo disse...

Muito Bom post.

Realmente, este flagelo agrava em muito a situação do pessoal...

Na esperança de poder ajudar,

deixo alguma informação adicional sobre trabalho temporário... não é solução, mas pode contribuir para um começo diferente... As pessoas não podem é desanimar! Força aí!

Trabalho e Empregos Temporários para os Jovens Encontra tudo sobre o trabalho temporário para jovens. Descobre onde, como e em que contexto esta poderá ser uma solução! www.trabalhoparajovens.blogspot.com/

Força!

Anônimo disse...

È com certeza uma verdadeira enganação!!! COren-Cofen serve apenas para fiscalizarem o profissional. Ao contrário de vcs q não tivem oportunidade, eu tive e foi a pior da minha vida!!! Desisti enquanto n sou presa pela negligência do hospital... td é lindo na sala de aula mas a real é outra... maior tristeza








TALITA disse...

sou enfermeira também me formei em dez de 2011 faço pós e não consigo nadaaaaa, essa profissão é ridícula, e nós mesmos somos culpados por sermos uma categoria tão desunida , queria ver se a enfermagem resolve parar , o que seria dos hospitais.

Anônimo disse...

BOaaaaaaaa.. concordo com tudo que está postado, PESSOAL, saiam desse barco furado enquanto ha tempo....

Carlos Primo disse...

sou pai de uma filha que já a dois anos foi formada na FEMA,e na busca de oportunidades na cidade e circunvizinhas não encontrou oportunidade de trabalho na área profissional, foi então para outro estado muito longe e lá já a 1ano,e 6 meses também ainda em grande busca não acha emprego, os membros do COFEM já mostram e acredito pois vivendo isso com minha filha a dois anos os vejo como a maioria dos Sindicatos como sendo inoperantes, amantes de si mesmo, com isso fazendo revelar o carácter dessas pessoas que compõe essa messa diretória como sendo verdadeiros corruptos ou covardes diante de milhares que confiaram nessa propaganda enganosa fraudulenta a serviço muito bem pago por essas universidades que todos sabemos cobram, cobram, cobram muito caro.

Anônimo disse...

Sou enfermeira formada desde 2008 e não consegui nada nessa área tão infeliz. Me arrependo e muito de ter perdido anos da minha vida e jogado dinheiro fora por um curso que não te garante nem um famoso "bico".
Pra se consegui um emprego é muito difícil pra não dizer impossível, é restrito e com indicações, logo quem não tem costas largas nada tem.
Concursos públicos então, dá mais de 200 por vaga.Isso é um absurdo, nosso conselho poderia fazer algo por aqueles que se formam e não conseguem um emprego, só sabem cobrar mensalidade altíssima e não nos oferece amparo algum. Estou muito triste por ter escolhido um curso errado. A frustração então, nem há de se comentar.
Matéria totalmente equivocada e enganadora essa ai acima.

Anônimo disse...

Sou enfermeira formada desde 2008 e não consegui nada nessa área tão infeliz. Me arrependo e muito de ter perdido anos da minha vida e jogado dinheiro fora por um curso que não te garante nem um famoso "bico".
Pra se consegui um emprego é muito difícil pra não dizer impossível, é restrito e com indicações, logo quem não tem costas largas nada tem.
Concursos públicos então, dá mais de 200 por vaga.Isso é um absurdo, nosso conselho poderia fazer algo por aqueles que se formam e não conseguem um emprego, só sabem cobrar mensalidade altíssima e não nos oferece amparo algum. Estou muito triste por ter escolhido um curso errado. A frustração então, nem há de se comentar.
Matéria totalmente equivocada e enganadora essa ai acima.

Anônimo disse...

Sou enfermeira formada desde 2009, tenho duas especializações, já fiz estágio supervisionado num grande Hospital, mãããss como não tenho registro em carteira eles não me contratam. "Profissãozinha" ingrata... Penso em recomeçar do zero agora e procurar outras áreas :)

Anônimo disse...

Façam Eng. Fazer Enfermagem já foi o tempo... Sou enfermeiro com 2 pós e estou mais de 4 anos sem emprego na área.... Acho ridículo esse negocio de pedir experiencia...não basta tdas as práticas que fazemos na faculdade? Pior curso que existe: 1 - enfermagem.

Anônimo disse...

Não existe mais esta história de que na enfermagem já se sai da faculdade empregado. Temos milhares de enfermeiros se formando pensando que vai ficar logo empregados e acabam quebrando a cara. Estou a 3 anos sem emprego; detesto ouvir o noticiário da rede globo afirmar que as empresas (em geral) não contratam por falta de mão-de-obra qualificada. Tenho pós-graduação e residência de enfermagem e mesmo assim não consigo emprego; já coloquei currículo em diversos locais e nada.O pior é ter que pagar anuidade de coren mesmo desempregada. É claro que se pode cancelar a inscrição para não pagar anuidade, mas fica aquela espectativa de que a pessoa vai arranjar emprego e depois o tempo passa...;sem falar na burocracia da reinscrição e o valor abusivo cobrado. A incrição, reinscrição e o valor da anuidade do coren são incompatíveis com o salário do profissioanal de enfermagem.

Anônimo disse...

Estou a 3 anos desempregada e finalmente tomei uma decisão que deveria já ter tomado a muito tempo: cancelar o coren. Durante este tempo que fiquei na expectativa de arranjar emprego, levando sempre um não na cara e até mesmo ficando sem resposta alguma, era minha mãe quem pagava as anuidades. Além de você ficar desempregado, ainda tem que absorver os abusos desta instituição que não colabora com as melhorias na enfermagem. Acredito que uma grande maioria deve pensar como eu:o coren só pensa em anuidades. Quando fui na instituição cancelar a inscrição fui muito mal recepcionada; parecia mais que eu estava recebendo um grande favor de ser atendida. Eu uma pessoa que cumprir sempre asobrigações perante a instituição sou recebida assim imagina quem deve por esta desempregado. É um absurdo o que eles fazem com os desempregados. Se por acaso você arranjar emprego tem que pagar duas anuidades (valor da reinscrição +valor da anuidade). É como se fosse um castigo para quem deixou de pagar anuidades por ter ficado desempregado. Esta situação deveria mudar se tivessemos uma profissão mais unida e paltada em interesses coletivos ao invés do individualismo.

Anônimo disse...

Concordo plenamente com os comentários dos colegas acima. Realmente o Conselho não tem a mínima noção da realidade! Sou Enfermeira, formada há 6 anos e pós-graduada há 2, moro no sul do Brasil, e até agora não consegui um emprego de verdade, que me trouxesse estabilidade, realização e valorização. O que vejo acontecer é profissionais se formando e sendo literalmente jogados fora do mercado de trabalho, as faculdades se preocupam com o lucro das mensalidades e o Conselho com o aumento das anuidades. Ninguém se preocupa de fato a fazer um trabalho de levantamento da real situação de nós ENFERMEIROS. O que vejo também é o aumento progressivo das escolas técnicas de enfermagem, o número de técnicos sempre é pouco, por que a oferta por vagas é maior, mas também tem a questão da qualidade do ensino, vemos tantos erros e negligências ocorrendo, sabemos que a maioria dos professores são Enfermeiros e vejo também que as escolas contratam muitos Enfermeiros com pouca experiência prática na área, muitos só sabem na teoria. As universidades no intuito de iludir os estudantes sugerem aos Enfermeiros que sigam a carreira acadêmica, fazendo mestrado e doutorado, mas isso é privilégio somente de alguns que podem pagar pelos altos custos com esses cursos, que geralmente exigem dedicação integral, sendo que nem toda faculdade oferece programa de bolsas de estudos adequada. Assim Enfermeiros que assumem Conselhos com mestrado, doutorado, são na maioria egressos desta formação, muita teoria pra pouca prática, assim alimentam um mundo de sonhos que na verdade não existe na nossa realidade! A corrupção, a hipocrisia e favorecimento político também é outra coisa que me dá nojo, dando oportunidades somente para os mais "favorecidos politicamente" negando oportunidades justas através de concursos e processos seletivos limpos e justos para todos, assim muitos perdem a chance de fazer mostrar o seu trabalho por causa dessas coisas. É horrível. Assim nós Enfermeiros somos obrigados a assumir cargos muito abaixo de nossas formações para sobreviver, só que como a Bíblia diz, não só de pão viverá o homem! Queremos nos sentir úteis e valorizados, felizes em que formos fazer. Creio que nós Enfermeiros estamos perdendo nosso espaço, e quem perde sempre é o paciente, que deveria sempre ter a seu lado profissionais competentes, humanos, com responsabilidade técnica-ética-moral-social. Se a enfermagem tivesse realmente seguido os passos de Florence Nightingale precursora da enfermagem moderna, veria que ela é muito mais prática do que "blablablá", é resolutividade de problemas através dos cuidados devidamente prestados, muitas vezes cuidados simples, enfim é pensar sim, é pesquisar sim, mas com o intuito de mudar a prática e proporcionar sempre o melhor pro paciente e o fortalecimento da profissão. Para termos novas experiências é preciso um alargamento do campo de nossa atuação, espero que as empresas se toquem assim como as instituições de ensino! Enfim, estamos muito longe disso, e com o passar dos anos, nos sentimos cansados, cansados de tanta babaquice! DEUS NOS AJUDE!